sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Salvaram-me 2010








Caros amigos e arrais do Tejo.
O salvaram-me abriu a sua janela ao mundo.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

XXVIII Aniversário da Associação Náutica do Seixal

A sua história remonta ao ano de 1896 onde os interesses da classe levaram os pescadores a agremiarem-se fundando uma Associação que assentava nos princípios da solidariedade em face dos perigos e das crises periódicas erguendo com verdadeiro sentido de providencia a sua Caixa de Reformas. Desta iniciativa surgiu, ao que parece, a primeira agremiação do género, no pais, fundada em 1 de Novembro de 1896, denominando-se Associação da Classe Piscatória do Seixal.

Do seio desta emblemática instituição cuja história se confunde com a história do Seixal, a 23 de Janeiro de 1981, nasce a Associação Náutica do Seixal que agora celebra o seu vigésimo aniversário.


Não faltem próximo dia 25 de Janeiro pelas 15:00 na sede da Associação Náutica do Seixal - Casa dos Pescadores do Seixal.

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Parabéns ao Arrais da Canoa Princesa do Tejo

Parabéns.. que contes muitos mais e bons anos:)

...Da tua mana que te adora :) bjs :)

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

terça-feira, 29 de julho de 2008

II Regata Atlântico Azul - Marinha do Tejo


No próximo dia 15 de Agosto terá lugar a Regata de Embarcações Típicas "Marinha do Tejo - Atlântico Azul", organizada pelo Centro Náutico Moitense, e integrada nas festas do Rosário e da Amora.

A Regata «Rosário - Lisboa - Seixal» terá o seguinte programa:

  • Partida do Rosário - 07:00 Horas
  • Chegada provável ao Seixal - 11:00 Horas
  • Almoço de confraternização - 12:30 Horas
  • Entrega de Prémios - 14:00 Horas
Nos próximos dias publicarei mais informações sobre embarques e inscrições.

Fique atento!

Conheça o Tejo connosco

quarta-feira, 9 de julho de 2008

Uma só Marinha...


«É como alguém que vive num palácio e abre as portas a alguém que não vê há muito tempo»

Fernando Carvalho Rodrigues in O reeencontro das Marinhas

segunda-feira, 7 de julho de 2008

O reencontro das Marinhas

A Marinha é só uma e esta pertence a todas

Almirante Fernando Melo Gomes
Chefe de Estado Maior da Armada 

quinta-feira, 3 de julho de 2008

Marinha do Tejo defende Vila Franca

É já neste fim de semana (5 e 6 de Julho) a Regata Cruzeiro Moita - Vila Franca de Xira - Moita.
O Estuário do Tejo aguarda o encanto das canoas a rasgar-lhe as águas rumo a Vila Franca de Xira. Num evento integrado nas Festas do Colete Encarnado volta a Marinha do Tejo a Vila Franca, desta vez, para lhe defender as tradições de um passado ligado ao Tejo.

terça-feira, 1 de julho de 2008

Reportagem TVI: A Marinha do Tejo

O sentir do vento...

Renascer no Cais da Moita...



A História sempre foi madrasta para com as “gentes simples”. Ainda assim, foi com o sangue de muitos “simples portugueses” que se escreveu a declaração da nossa independência. Enquanto nas cidades, a fidalguia entregava os palácios e passava a pagar os impostos a qualquer outra coroa, nos campos encontravam os invasores os seus pesadelos.


No Tejo, em diversos episódios, trocaram-se as vidas dos seus pescadores, fragateiros e barqueiros que, pela luta ou pela fome, combateram pela independência da nação. A esses destemidos combatentes, há quase três séculos, foi dado o nome de Marinha do Tejo.


Quis a sensibilidade do senhor Secretário de Estado da Defesa Nacional e dos Assuntos do Mar, o Dr. João Mira Gomes, devolver aos marítimos do Tejo a honra de voltarem a ser Marinha do Tejo. Os momentos que aqui ficam registados em imagens, são um reconhecimento a dezenas de gerações de homens e mulheres de viram nas águas do Tejo o seu sustento e o caminho para a defesa da pátria.


A sul do Tejo, este dia e os seus patronos jamais serão esquecidos. Obrigado!

quinta-feira, 26 de junho de 2008

O Reencontro da Marinha do Tejo


PROGRAMA
28 de JUNHO de 2008
08:40
Partida do autocarro da Marinha, da Doca da Marinha para a Moita, com os Órgãos da Comunicação Social e com os Convidados
09.30
Chegada dos Proprietários e Arrais ao Cais da Moita
09:40
Chegada ao Cais da Moita dos OCS e dos Convidados
10:00
Inicio da Cerimónia com Mensagem de Boas Vindas do Presidente da CM da Moita
10:05
Assinatura do Termo de Abertura do Livro de Registos da Marinha do Tejo.
10:10
Alocução do Presidente da Associação dos Proprietários e Arrais de Embarcações Típicas do Tejo, Professor Carvalho Rodrigues
10:15
Alocução do Presidente do Centro Náutico Moitense, Mestre João Gregório, seguida da entrega das insígnias de Fragateiro às Altas Entidades
10:20
Alocução de SEXA o Almirante CEMA
10:25
Alocução de SEXA o SEDNAM
10:30
Assinatura do Livro de Registos por todos os Proprietários e Arrais das embarcações participantes, e entrega das Cadernetas e Distintivos da Marinha do Tejo
10:50
Fim da Cerimónia
10:50
Embarque das Altas Entidades e convidados nas embarcações
11:00
Largada da Marinha do Tejo da Moita
12:45
Chegada da Marinha do Tejo à Doca da Marinha
12:50
Desembarque das Altas Entidades e dos convidados
13:00
Confraternização na Doca da Marinha a convite de SEXA o Almirante CEMA

Despacho n.º 15899/2008


terça-feira, 10 de junho de 2008

I FESTA DO FRAGATEIRO DO SEIXAL


Integrado na XXIX Edição do Cruzeiro do Tejo e nas Festas de São Pedro do Seixal, a I Festa do Fragateiro do Seixal decorrerá no próximo dia 20 de Junho. Churrasco, feira franca e animação musical são alguns dos ingredientes desta recepção aos barcos tradicionais que participarão nesta edição do Cruzeiro do Tejo.
Para facilitar a organização, agradecemos que, até dia 18 de Junho, comuniquem o nome da embarcação e dos seus tripulantes, bem como, hora estimada de chegada ao Seixal.
Mais informações: 919580539

domingo, 1 de junho de 2008

03 e 04 de Julho: Cruzeiro / Regata

O Centro Náutico Moitense encontra-se nos preparativos da VI Regata Cruzeiro Moita - Vila Franca de Xira - Moita. O evento decorrerá no próximo dia 03 e 04 de Julho e, à semelhança de anos anteriores, promete animar em alta todo o estuário do Tejo.

sábado, 24 de maio de 2008

A Marinha do Tejo

A ideia nasceu durante a visita de S.Exa o SEDNAM ao stand da ANMPN e do CNM - Centro Náutico Moitense na Nauticampo 2008, onde o Sr. Secretário de Estado tomou conhecimento do trabalho que está a ser efectuado na recuperação das embarcações típicas do Tejo, e da necessidade de obter um enquadramento ao nível do Governo que permita incentivar e promover o seu desenvolvimento.


A abertura demonstrada pelo Sr. Secretário de Estado, e o trabalho que a partir desse dia foi desenvolvido, permitiram a concretização de um sonho, dignificando todos aqueles que, de forma abnegada, têm vindo a lutar pela preservação das embarcações típicas do Tejo, colocando-as de novo a navegar no magnífico estuário do Tejo, de onde Vasco da Gama zarpou há cinco séculos para a descoberta de novos mundos.

Antes de passarmos ao conteúdo do Despacho propriamente dito, queríamos agradecer ao Sr. Dr. João Mira Gomes - Secretário de Estado da Defesa Nacional e dos Assuntos do Mar, ao Sr. Almirante Monteiro Montenegro, que nas fotografias acima na Nauticampo estava em representação do Sr. CEMA, ao Sr. Cte Paulo Sousa Costa e Sr. Dr. Luís Silveira Botelho do Gabinete do Sr. SEDNAM, e ao Sr. Cte Rodrigues Pereira - Director do Museu da Marinha, registando publicamente o elevado profissionalismo e dedicação de todos para a concretização deste marco histórico que permitiu institucionalizar a "Marinha do Tejo", no aniversário da chegada da frota dos navegadores portugueses comandados por Vasco da Gama a terras do oriente.
Fonte: site da ANMPN

Marinha do Tejo: O Despacho



DESPACHO


O significado histórico-cultural da “Marinha do Tejo” traduz aspectos que reflectem bem a nossa identidade nacional e o que há de mais genuíno nas nossas populações ribeirinhas.

A “Marinha do Tejo” é o nome por que ficaram conhecidas as embarcações e a comunidade de marítimos e de artífices, que navegavam e habitavam ao longo das suas margens.



Homens de trabalho, com a sua acção, definiram a geografia de um País e moldaram uma Nação. É já dessa Nação o regimento de barqueiros de 1527, antepassados remotos daquela Marinha.


E foi essa Marinha que teve um papel decisivo na defesa do País no início do século XIX e contribuiu determinantemente para a protecção da cidade de Lisboa.

A “Marinha do Tejo” tem sido perpetuada até aos dias de hoje através de um trabalho generoso e dedicado que transmite às gerações mais jovens a sabedoria dos saberes fruto de séculos de experiência viva. Cumpre, por isso, adoptar medidas adequadas para a preservação e valorização desta parte da história do Tejo através da constituição de um pólo vivo do Museu de Marinha.



Por conseguinte, face à necessidade em estabelecer alguns princípios orientadores que contribuam para preservar o significado histórico-cultural da “Marinha do Tejo” e dinamizar a sua acção, determino o seguinte:



  • Que a Marinha, através do respectivo museu, avalie a possibilidade de acolher e dinamizar as iniciativas relacionadas com a “Marinha do Tejo”, promovendo, para o efeito, os esforços necessários para que esta constitua um pólo vivo do seu Museu.


  • Que seja equacionada a criação de uma Comissão composta por representantes de entidades directamente associadas à “Marinha do Tejo”, designadamente, do Museu de Marinha, da Academia de Marinha, da Sociedade de Geografia de Lisboa, da Capitania do Porto de Lisboa, do Centro Náutico Moitense, da Associação Naval Sarilhense e da Associação de Proprietários e Arrais das Embarcações Típicas do Tejo, com o objectivo de avaliar e deliberar sobre a concepção secular dessas embarcações e o seu grau de conformação, de acordo com regras a estabelecer em regulamento próprio.


  • Que no quadro desse regulamento sejam estabelecidas normas e regras que possibilitem delimitar as características que as embarcações devem revestir para se candidatarem junto da Comissão.


  • Que da “Marinha do Tejo” façam parte as embarcações, proprietários e arrais que, em cada ano, se encontrem registados no livro da “Marinha do Tejo” o qual será mantido no Museu de Marinha, em exposição ao público.


  • Que sejam promovidos todos os esforços no sentido de possibilitar um tratamento específico para este tipo de embarcações, de modo a incentivar a continuação de saberes de construção não só destas embarcações como dos seus diversos componentes.

Lisboa, 20 de Maio de 2008


O Secretário de Estado da Defesa Nacional e dos Assuntos do Mar

João Mira Gomes

segunda-feira, 12 de maio de 2008

II Encontro de embarcações tradicionais do Seixal

De 16 a 20 de Maio tem lugar mais um Maio Património, um conjunto de eventos que realça os principais projectos de salvaguarda e de valorização patrimonial e que inclui o 2.º Encontro de Embarcações Tradicionais na Baía do Seixal e a Noite dos Museus. O evento traz milhares de pessoas à Baía do Seixal, que fica nestes dias transformada num espaço de lazer, dentro e fora de água.

O 2.º Encontro de Embarcações Tradicionais do Tejo conta este ano com a participação de cerca de 45 barcos, entre os quais um carocho do Rio Minho, uma catraia de Vila do Conde, um moliceiro da Ria de Aveiro, uma canoa de pesca do Montijo, um galeão do sal de Cascais e uma catraia de Esposende. Das embarcações típicas do estuário do Tejo vão estar presentes as canoas, os catraios, os varinos, os botes de fragata e a lancha fragateira.

segunda-feira, 5 de maio de 2008

SENHORA DO CAIS




E pronto! Já está na àgua! A Senhora do Cais já navega! Aliás, ainda faltam algumas coisas, mas com calma havemos de conseguir! O primeiro obstáculo já foi ultrapassado... Agora, são os acabamentos, bastante importantes, por sinal!
Um dia a não esquecer! Regado com muito champanhe e muita alegria!
Rio Tejo! Aí vamos nós....
Saudações náuticas!
Rute & João